Juliana Menezes

 

A fundadora da primeira escola especializada em língua portuguesa na Irlanda, Juliana Menezes, fala sobre o ensino do idioma no país, revelando o perfil dos alunos e os motivos que os levam a frequentar um curso de português.

 

Uma artista nata! Esta é a melhor maneira de descrever a entrevistada desta edição. Juliana Menezes, paulista de 33 anos, sempre esteve envolvida com o mundo cultural. Para quem observa o currículo da professora de língua portuguesa, jornalista, atriz, dançarina, escritora, e também produtora de filmes fica difícil imaginar como ela administra todas essas funções. No entanto, para uma sagitariana, que aos dois anos de idade já se apresentava em teatros dançando balé e aos seis já escrevia poemas, nada parece ser impossível. Formada em dois cursos universitários, Letras e Jornalismo, e com pós-graduação em Estudos Literários, antes de chegar à Irlanda, Juliana trabalhou em dois jornais impressos de Salvador, na Bahia, e também foi editora de um jornal online. Com duas amigas escreveu um livro-reportagem sobre a história da televisão naquele Estado, publicou artigos em jornais e revistas e teve um conto selecionado em um concurso literário nacional, que hoje é parte de uma coletânea. No entanto, foi na Austrália, onde ela viveu por seis meses, que a professora adquiriu a primeira experiência com as aulas de português para estrangeiros. Aqui na Irlanda, além de criar a Portuguese Language Centre, nossa entrevistada é professora na University College Dublin (UCD), na National University of Ireland – Maynooth (NUIM) e no Marino College. Confira um pouco mais dessa trajetória:

 

– Há quanto tempo você mora na Irlanda e porque escolheu este País?

Cheguei à Irlanda em setembro de 2007 com a ideia de passar dez meses aqui para aprimorar o meu inglês e também juntar dinheiro. Queria abrir o meu próprio negócio no Brasil e, como eu tinha ouvido falar que havia muita oferta de trabalho em Dublin e que obter o visto não era difícil, decidi arriscar. Depois novas oportunidades apareceram e os objetivos iniciais foram completamente mudados.

 

– Quando e como você começou a ensinar português na Irlanda?

Tinha morado seis meses na Austrália antes de vir para cá, onde dei aulas particulares de português para algumas pessoas. Quando eu resolvi passar um tempo aqui, já tinha a ideia de tentar fazer o mesmo, porque, pelo menos, eu trabalharia na minha área e com algo de que eu gostava. Então coloquei anúncios sobre as aulas de português em vários lugares da cidade.

Comecei com um aluno e, naquele momento, fiquei muito feliz por ter voltado a ensinar para estrangeiros. Pouco a pouco, fui aumentando o número de horas dedicadas ao ensino e reduzindo a quantidade de horas em que trabalhava em outras áreas que não tinham o menor vínculo com as minhas profissões. Depois de um ano, comecei a ensinar também em uma das universidades da Irlanda e em um colégio, e, mais uma vez, decidi ousar um pouco mais e passei a me dedicar exclusivamente ao ensino da língua portuguesa.

 

– Por que você decidiu criar uma escola da língua portuguesa em Dublin?

Eu já estava ensinando português na Irlanda há três anos e notei que havia um crescente número de alunos, de diversos níveis, muito interessados em aprender ou aperfeiçoar o idioma. Nesse tempo, eu era professora e coordenadora educacional em uma escola de línguas no centro da cidade, além de ensinar no colégio e na universidade. Percebi

que havia chance de termos mais alunos, mais variedade de cursos e espaço para iniciativas mais ousadas ligadas ao ensino da língua e de sua pesquisa e difusão. Então encontrei um espaço central, com um orçamento que eu mesma pudesse manter, fiz consultas com quem orienta novos empreendedores no país e abri o centro de língua

portuguesa em outubro de 2011.

 

– Qual é o perfil do aluno que quer aprender português?

Os motivos que têm levado as pessoas a buscarem cursos de português são os mais variados. Uma grande parte está interessada em aprender a língua para se comunicar com a família do(a) namorado(a). Há muitos que têm imóveis ou costumam passar as férias em Portugal.

Recentemente há um enorme interesse em morar no Brasil e tentar encontrar um emprego lá, mas ainda há outras tantas pessoas que aprendem português pela beleza da língua, para se comunicar com muitos amigos do Brasil ou de Portugal, para ter mais uma língua no currículo, porque gostam da cultura portuguesa ou brasileira ou porque

apostam no português como uma das “línguas mais cotadas do futuro”.

 

– Como são as aulas?

As aulas são muito variadas também e são quase que cem por cento em português. Os alunos dos grupos, de oito estudantes no máximo, são estimulados a participar desde o primeiro dia, mesmo nos grupos de inicantes. Todas as aulas são guiadas por um material especializado de português para estrangeiros, selecionado a partir de inúmeros livros vindos tanto de Portugal quanto do Brasil. A metodologia da aula é também específica para quem está aprendendo português como uma segunda língua e enfoca a aprendizagem de forma ampla que envolve a decodificação das palavras, a fonética, as regras gramaticais, a comunicação oral, escrita e gestual, a interpretação, a naturalidade na conversação e o entendimento do idioma como um todo, o que não deixa de envolver o aprendizado sobre a história e cultura de cada país onde a língua é falada. Durante o processo, os alunos passam por diversas etapas que são organizadas em módulos. Cada módulo dura seis semanas e os alunos têm uma hora de aula semanal, onde aprendem a língua, praticam-na e fazem exercícios em classe e em casa.

 

– Em quanto tempo eles aprendem o idioma?

Isso depende muito do desenvolvimento, dedicação, interesse e objetivo de cada aluno. Os cursos são oferecidos do nível iniciante ao avançado e depois há a opção de fazer o curso preparatório para quem quer fazer o exame para obter o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras). Se o aluno é comprometido com o curso, não falta às aulas, estuda em casa, faz as tarefas, revisa-as, pode participar mais em classe e, sem dúvida, aprende mais rapidamente.

Outro fator importante é a quantidade de horas de cursos e se o aluno aprende em aulas particulares ou em grupo. O que posso garantir é que os nossos alunos começam a falar um pouco de português desde o primeiro dia de aula.

 

– Quais são as outras atividades que o Portuguese Language Centre oferece ao

público interessado em aprender a língua?

O Portuguese Language Centre é o único centro educacional na Irlanda que é exclusivamente especializado e focado no ensino e na promoção da língua portuguesa como língua estrangeira. Dentro dessa perspectiva, além das aulas de português para todos os níveis, individuais e em grupo, são também oferecidos cursos complementares

que enfocam cada necessidade (só conversação, só escrita, só pronúncia, só expressões populares, só gírias, etc), oficinas culturais, oficina teatral, clube do livro para cada nível, sessões de cinema, biblioteca com livros, revistas, DVDs e CDs para empréstimo e aulapasseio. Tudo para que os alunos aprendam de forma eficaz e também

com muita diversão.